Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

X-Acto

Os x e os actos e algumas coisas de cortar os pulsos



Quarta-feira, 10.07.13

Este blog ia chamar-se O Mercador de Veneza

Este blog ia chamar-se O Mercador de Veneza. Porquê o Mercador de Veneza? Se quiserem mesmo saber podem ler uma explicação mais detalhada aqui, mas resume-se no essencial. Shakespeare sabia o que fazia. O Mercador é uma obra notável e "é uma comédia, é uma tragédia e no fim os bons ganham". Foi exactamente isto que eu disse a alguém que me perguntou porque gostava tanto da peça e do texto. É um bocadinho mais que isso, escarafuncha na natureza humana e por mais sofisticadas que as sociedades se tornem no fim do dia é tudo sobre pessoas. Sobre nós. Sobre a nossa natureza, a própria e a partilhada e isso fascina-me mais que tudo.

Então e do Mercador até X-Acto (não, não me apetece nada escrever Ato), como é? É simples. X-Acto chegou primeiro que O Mercador de Veneza. Chegou porque vivo rodeada de gente louca saudável e a frase (e o gesto) de cortar os pulsos ganhou uma normalidade ... normal. Um dia fui para casa a pensar nisso. E X-Acto pareceu-me bem, porque serve para cortar os pulsos mas pode ser bem mais que isso. Vá, um pouco de conversa do tipo 'criativo-intelectual'. Há o X. E o Acto. O X da questão. Os actos do nosso dia-a-dia de gente. O corte fino na realidade. O corte fino. E. claro, o X-acto propriamente dito.

O Pedro Neves que é o mago dos blogs do SAPO alinhou e preparou um design catita para o X e para o Acto. E depois entrei em processo de reflexão. Quero mesmo fazer um blog? E vai mesmo chamar-se assim? E X-Acto não é demasiado sangrento? Eu não sou assim tão de fazer sangue. As minhas amigas até me chamam de 'xanolítico' de vez em quando. Nessa dissertação passaram-se meses. O Mercador de Veneza tornou-se maravilhoso. Estava tudo lá. Era tão contemporâneo. Agiotas que querem a nossa carne para lhes salvar a alma. Não a alma, mas o ego. O ego e o resto. Mulheres inteligentes que encontram caminhos onde homens viam becos sem saída (não, também não sou feminista). E comecei por conta e risco a fazer um blog - oh traição - no wordpress chamado O Mercador de Veneza. Escrevi dezenas de textos entretanto. E um dia destes, há poucos dias, percebi que não queria estar presa à cosmética em que ameaçam tornar-se muitos blogs.

Quero escrever. Sobre pessoas. Pessoas em contextos que envolvem outras pessoas. Pessoas em contextos em que desempenham um papel (desempenhamos sempre papéis). Pessoas como nós ou o oposto de nós sobre as quais, por bons ou maus motivos, é preciso escrever. De volta à natureza humana e a essa coisa que somos sempre nós por trás dos grandes feitos, das grandes derrotas, dos poderosos movimentos de mudança. Somos nós. Humanos, frágeis, gigantes.

E isso não precisa de tanta reflexão quanto isso no que respeita ao nome do sítio onde vai acontecer essa escrita, essa reflexão, essa intimidade. É por aqui, virá quem quiser. X-Acto is just fine.

Encontramo-nos por aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sparks às 11:47


1 comentário

De Pedro a 12.07.2013 às 12:12

"é preciso escrever"

Nem mais :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Mensagens