Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

X-Acto

Os x e os actos e algumas coisas de cortar os pulsos



Quarta-feira, 12.02.14

Falar sobre nós é tão bom como comer. Ou ganhar dinheiro. Ou sexo.

Poucas coisas me fascinam tanto quanto entender a razão pelas as quais as pessoas fazem coisas.

Porque são tão defensivas, em certos contextos.

Porque são tão simpáticas e disponíveis, noutros.

Uma longa lista de porquês, alguns que se repetem e, de vez em quando, uns cromos novos na caderneta.

 

Um dos porquês recorrentes acontece-me sempre que leio coisas absolutamente privadas ou que apenas dizem respeito a nós próprios ou a meia dúzia dos nossos. E lá fico eu a cismar no porquê. Porqu~e tanto detalhe público? Porquê sequer tornar público?

 

Hoje enquanto pesquisava 'coisas' sobre formas de celebração, o sentido da celebração, as celebrações mais míticas, etc, tropeço num artigo que me levou a outro artigo e que ... voilá ... responde a este porquê. Os cientistas de Harvard - note-se, não é especulação nem conversa de café, são cientistas e de Harvard - descobriram que falar de nós próprios nos traz uma satisfação semelhante à que temos com a comida, o sexo ou o dinheiro.

Num estudo que com algum humor os autores veriam bem baptizado como 'a penny for your thoughts', os cientistas perceberam que mesmo oferecendo dinheiro aos participantes para falarem de outros temas que não deles próprios, a maioria abriria de bom grado mão de parte dos ganhos só ... para poder falar de si própria em vez da política do país, os resultados da Superbowl ou de um estudo como este.

 

Está explicado. É tão bom para nós como chocolate, um bónus generoso ou sexo. Pelo sim, pelo não, e em prol da harmonia das relações, é melhor não fazer no fim de uma conversa sobre nós aquela pergunta clássica sobre 'se foi tão bom para ti como para mim'.

 

Até breve

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sparks às 17:52



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Mensagens