Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

X-Acto

Os x e os actos e algumas coisas de cortar os pulsos



Quinta-feira, 14.05.15

Pode devolver-me o meu clique?

Devia ser possível. Tal como devia ser possível fazer dislike e não apenas like e voto contra em vez de ter de escolher outro qualquer partido que nem nos interessa assim tanto como 'voto a favor'.

A caça ao clique assume proporções gritantes.

Editores, jornalistas, vendedores de publicidade, gestores de media, profetas da next big thing, estamos todos desesperados. E o desespero assenta-nos tão mal.

Trabalho num meio de comunicação digital. Onde as notícias e as não-notícias são medidas ao segundo. Qualquer um de nós, editor, sabe quase instantaneamente o 'que vai dar' e o que 'não vai dar'. É pior acertar do que não acertar. Porque é uma espécie de cheiro a queimado - não deixa dúvidas. E está a perverter o trabalho de muitos e bons jornalistas, de muitos e bons editores. 

Há meia dúzia de regras básicas e estamos todos, aparentemente, a achar normal sermos avaliados por essas regras.

O título tem de criar suspense. Porque o suspense leva ao clique. Por exemplo: saiba como se chama a nova princesa. Não interessa nada. É um fait divers de página cor-de-rosa promovido a notícia de primeira linha. Mas convém que o título seja 'saiba como se chama a nova princesa' ou algo parecido. E não algo estupidamente óbvio como a nova princesa chama-se Charlotte Elizabeth Diana.

Um conteúdo - note-se, conteúdo, não artigo - ganha outro interesse - leia-se comercial / audiência - se puder ser desmultiplicado em lista. Se a lista puder ser ilustrada em galeria de fotos, melhor ainda. E assim temos as 15 coisas que nunca deve dizer ao seu filho e as 10 coisas que deve sempre dizer ao seu filho, bem como os 20 alimentos que lhe salvam a vida e os 15 alimentos perigosos para a saúde. Tudo gráfico: uma imagem, um título, uma legenda, explicações breves, tantas vezes parcas e incompletas, mas completamente ajustadas à atenção disponível desta nova espécie que andamos a treinar, o leitor online.

E, claro, há o preço. A cotação no mercado online mede-se em RPM - Receita por cada mil cliques. Se o RPM for de 2 euros numa determinada campanha, significa que 1000 leitores valem 2 euros.

Se o RPM foi de 9 euros, valem 9 euros.

Caro leitor, você não vale nada feitas bem as contas!

Um bom artigo - leia-se com boa audiência e não gerado por mera caça ao clique - pode valer, num meio mass market, 3 mil views, 5 mil views, 10 mil views. Na melhor cotação, vale no máximo, 90 euros.

A sério?

Queremos mesmo perpetuar nestes parâmetros os erros primordiais de um tempo que não sabia o que a internet iria trazer? Ou temos alguma inteligência restante para perceber que já é tempo de mudar regras antes de termos um mundo (ainda mais) inundado de parvoíce, superficialidade e mera caça ao clique?

 

Update a 14 de maio

 

Há dois dias escrevi sobre a imbecilidade e o embuste que se vive no reino digital. Ontem recebi várias mensagens sobre o assunto. E é curioso perceber que a maior parte das pessoas não percebe que - comercialmente - vale muito pouco para os anunciantes ou para as agências que negoceiam por eles. Se 1000 cliques valem 2 euros, cada um destes cliques vale ... 0,002€. Que os conteúdos valham pouco e que a malta que os produz ande à rasca há mais de uma década, é uma coisa; que todos nós, porque todos somos leitores, valhamos muito pouco, é outra. Não sei, mas de repente pareceu-me que se calhar devíamos falar mais desta perspectiva para ver se 'isto' deixa de ser um problema dos coitados-palermas-tinham-a-mania-que-eram-bons dos jornalistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por sparks às 00:51


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31